A ilha


Sabe quando você ama tanto um certo alguém, mas muito mesmo?! E que por algum motivo você não a(o) pode ter (ou a perdeu por qualquer que seja o motivo), daí você chega a duas conclusões: Que se faz necessário manter distância dessa pessoa ou se sujeitar a ficar perto não importa como.

Difícil de explicar e talvez a maioria de vocês nem concordem com isso.

Eu vislumbrei essa dualidade do amor infinito recentemente. E com exemplos inusitados. Amei um lado, senti o outro. Uma intensa observação do meu próprio sentimento e o sentimento de outro. Esse tipo de empatia é difícil conseguir e até doloroso, mas me valeu como um enorme aprendizado, como não poderia deixar de ser.

Não pretendo teorizar o Amor, pois é algo que não se consegue fazer e acabaremos com um monte de frases soltas do tipo “Amor é isso ou aquilo”. Portanto tudo o que discorro aqui são impressões, e o que posso dizer de Amor é que é algo tão grande e complexo que sequer me darei ao trabalho de tentar explicar. Mas tal dualidade só pode ser vivenciada por quem amou exatamente dessa forma: da forma que você não consegue explicar.

Em ambos os casos não é que a pessoa lhe cause mal. Mas quando você a vê, algo estremece nas suas fundações. Você tem vislumbres de um futuro que não existe, junto com lembranças do passado e fantasias que nunca foram verdades. O contorno de suas formas ainda lhe fascina de tal modo que você tem que se controlar para não perder o foco no que está fazendo. Ao passo que o cheiro que dela emana te distrai imediatamente. A conversa cativante, as gentilezas, medos e gostos em comum – ou peculiares. A voz, o sorriso, a luz dos olhos, enfim todas as interjeições que fazem seu Amor por ela existir, ainda estão ali. Há ainda quem tem as lembranças de fato do toque de sua pele e do lugar lindo e reconfortante que era o seu beijo e abraço.

Nossa… quanta paixão… mas veja, apenas paixão. E não é só de paixão que estou falando.

Sim. No fundo de toda essa paixão (veja, há diferença) existe o Amor que você de fato sente, que no caso, é aquele sentimento que você tem pela pessoa mesmo à distância. Aquele sentimento que te faz ter a certeza que você a cuidaria e levaria até os confins do universo, que lhe faz perguntar-se se aquele simples cesto de pão não está pesado, de ver uma pequena flor na rua e pensar que ficaria muito bonito na mesa dela(e), que acorda você cedo ou te faz dormir tarde pois aquela promessa precisa ser cumprida, que tudo seu é dela sem nenhum questionamento e que você daria até um pedaço do seu corpo a ela se assim precisasse. Esse tipo de alicerce é profundo e nesse caso existe só em você, e essa é outra conclusão que eu cheguei: amar alguém não implica em se relacionar! Reciprocidade existe sim, e é bom saber que você também é amado, mas o Amor é grande e nobre e único demais pra você chegar e dizer: “Ela(e) não me ama, porque vou ama-lo(a)?”. Isso me soa egoísta. E Amor nunca se misturará a sentimentos ruins.

Mas então, por que se distanciar, ou se sujeitar a sofrer em silêncio? Por que é o que nos resta como simples mortais.

Um dos caminhos é tentar esquecer o que fez você se apaixonar pela pessoa. Aí a distância ajuda nisso. Você deixa de ver tão de perto o que lhe fascina tanto e outras coisas lhe ocupam a mente. Funciona bem pra muita gente. Ainda que uma ou outra lembrança retorne, não é suficiente para lhe estremecer tanto.

E o outro caminho é ficar sempre por perto, em uma espécie de torpor e aceitação, e continuar sua fascinação de modo silencioso, mas constante, como o gotejar de soro que se recebe em um hospital. Sua necessidade da pessoa é diluída em todos os anseios dela mesma, mas você a recebe, por que ama demais. Pode ela ir a qualquer caminho, com outras pessoas até, que o seu amor a ela mantém você por perto. É singelo e bonito, mas você está entorpecido, e certamente sangra sem sentir.

Única certeza até aqui é que esses caminhos são adequados a cada pessoa. Nenhum é o certo, tampouco é errado. Apenas são caminhos.

Eu? Que caminho eu tomo? De certa forma depende do amor que eu sinta e da pessoa em questão. O amor, como eu digo é meu mas a pessoa tem grande influencia na forma como sinto, logicamente. Eu na minha ilha, decido quem fica quem vai porque ainda que a reciprocidade como eu disse não implique em um relacionamento, cabe só a mim fazer essa escolha. Porque de toda forma, apenas darei amor, seja evanescendo, seja sangrando.

Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: