05 – Conto da Semana: Passeio Pelo Beco


Se não fosse a dor de estômago, decorrente da gastrite virando cirrose ou uma úlcera, Tonho, como era conhecido o Sr. Antônio, não teria deixado o bar naquela noite. Era quase meia noite. Sua mulher já está dormindo a pelo menos três horas. Ela não se importava tanto assim, quase já se acostumara. Afinal, Tonho sempre voltava pra casa por essas horas quando saia para beber. Seus filhos também dormiam, mas mal sabiam onde estava o pai. Tonho pensou neles, em como ele era ausente, como a mulher sempre está dormindo quando ele chega, já que ele faz questão de se atrasar em um bar e nunca chegar em casa para ter a comida ainda quente na janta. Qual era o problema afinal. O problema era criar problema, ele concluiu. Ele criava seu próprios problemas… Nunca tinha parado para pensar assim em sua vida, há dois minutos pensou mais do que uma noite inteira. Mas, mesquinhamente logo apagou sua reflexão, estava convencido que o mundo é que era cruel e não ele o acomodado.

Caminhava sozinho uma ruela fria de sarjetas empoçadas. Por ali tinha um atalho, lembrou-se ele. O abdômen dando-lhes socos e beliscões agudíssimos, isso porque ele revidou com álcool. Umas duas casas na frente. Sim, ali. Um beco. Só dava pra ver luz lá do outro lado. Ele olhou. A visão ainda não estava assim tão embaçada. Não havia nada no beco. Nada de ameaçador. Em tempo como aqueles, era preciso sempre ficar atento. Começou a caminhar em direção da escuridão da travessia. Ele ouvia seu coração, sua respiração e o pisar de seus pés no solo de barro, mais nada.

O relógio soou um bip, que ele nunca conseguiu desligar, marcando a virada do dia.

Um choro de bebê ecoou pelo beco.

Tonho parou imediatamente. Era um bebe que estava chorando. Não era dentro das casas, era ali no beco. Ele mal podia ver seus pés, naquela escuridão mas pôs-se a procurar a origem do som.

Um bebê, meu Deus, num beco, naquela hora. Ele esqueceu suas preocupações e pensamentos e senti-se minimamente solidário. Afinal, não deixaria uma criança no meio daquela noite fira e escura, todavia não ficaria tão aliviado em tê-la em seus braços. Ainda sim procurava.

Ali. Uma massa escura se mexia. Sim ela ele. O bebê perdido. Como, ele se perguntava, como um bebê ali. Que coisa mais desumana. Segurou o bebe, meio sem jeito. Devagar ele ia andando, o bebe calou-se mais um pouco.

Tonho notara um ligeiro incomodo ao carregar a criança. Era indefinível,mas ela estava cada vez mais difícil de carregar. Talvez por ele não ter nenhuma prática com crianças, deixava tudo para a mulher, mas ele já carregou crianças antes, esta estava particularmente difícil.

Lutava para manter a criança no colo e não deixá-la cair. Mas que coisa. A escuridão atrapalhava muito, ele não tinha certeza de onde pegava, não sabia se poderia machucar o bebê.

Quase ele lhe escapa da mão! Tonho soltou uma exclamação abafada e quase um palavrão.

Nos últimos dois metros, além da dificuldade de manter a criança em seu colo, ela adquiriu um peso incompreensível. Aquilo já estava ficando insustentável. Tonho queria imediatamente a luz do poste para poder ajeitar-se com o bebê.

Quando foi banhado pela luz e pode olhar o bebê. O largou no chão prontamente.

Estivera carregando uma criatura indefinível que o olhava fixamente com olhos brancos, quase amarelados. Abriu uma boca grotesca que pareceu sorrir-lhe. Tonho sentia o coração palpitando na garganta. A coisa soltou um grunhido e disparou de volta ao beco.

Tonho ajoelhou e vomitou tudo o que comera naquele dia. Dali correu para casa e suou frio até o meio dia do dia posterior. Como terror da figura do bebê monstro não lhe saindo da visão.

Nunca mais bebeu, tornou-se um homem melhor desde então.

_______________________________________________

Anúncios
    • Daniel
    • 29 de novembro de 2010

    Uou, blz, estilo Stephen King. Só falta o desenho do bb.
    -}

    • Sem dúvida King foi (e é) uma das minhas maiores inspirações. E pra variar um pouco, acabei colocando uma “lição de moral”… totalmente ausente em muitos contos do King xD

      Agora, quanto ao desenho do Bebê monstro, aguarde a HQ… será disponibilizado aqui no blog =)

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: